Atividades Diversas e Coisas para fazer Durante a sua Viagem

Viagem de Mochilão: Dicas e Conselhos de Atividades a fazer

Obviamente, decidir o que fazer vai depender muito de onde você está viajando, bem como preferências pessoais. Embora muitos gostem de planejar com antecedência e decidir o que gostariam de fazer antes do tempo, há muitos que preferem decidir uma vez que eles chegam. Essas dicas devem funcionar para ambos os tipos de pessoas. Se você quiser obter mais algumas informações sobre o planejamento pré-viagem (ou seja, o planejamento que você vai fazer antes de decidir quais atividades para fazer e quais atrações para ver), confira minha página sobre como preparar um itinerário de viagem.

 Estou perdido, não tenho a mínima ideia do que fazer e conhecer nesse local. 

O que eu vou dizer aqui é mais geral, serve para 80% das cidades relativamente conhecidas do mundo, mesmo que você não tenha preparado nada, não tenha nenhuma informação sobre esse local, não tenha nem guia e caiu por lá de paraquedas. Essa é a rotina que eu uso sempre: 

 

1. Procure pelo centro de informação.

Em muitas cidades, mesmo as pequenas pelo mundo, você pode encontrar um centro de informação. Normalmente eles ficam no aeroporto, rodoviária, ferroviária ou porto. Dependendo de como você chegou, dê uma olhada nesses quatro lugares. Se não houver nada, é possível que tenha algo no centro da cidade ou na área mais turística como parques, perto da igreja principal, próximos às praias mais badaladas e por aí vai.   

Encontrado o centro de informação turística, aí vão as coisas mais essenciais que você precisa: 

  • Um mapa para poder se localizar no local;
  • Pedir para mostrar no mapa onde fica a sua acomodação para você saber voltar;
  • Pedir para que apontem no mapa quais as principais atrações locais, o que você não pode deixar de visitar;
  • Quais os horários disponíveis para visitar esses locais. Por exemplo, se você vai visitar um museu é bom saber quais os dias e horários de abertura e fechamento. Tem muito museu que fecha de segunda ou atração turística que só abre de fim de semana. Informação é algo essencial para poder se programar;
  • Quanto custa fazer determinada atividade para não chegar até lá depois de gastar com transporte e ter que desistir porque é o olho da cara!!;Nova Zelândia
  • Como chego a esses pontos usando transporte público? Onde toma-los? Quanto custa? Posso pagar no ônibus ou preciso ter algum passe especial?? Horários de funcionamento??
  • E se há alguma atividade fora da cidade, nas redondezas, que compense fazer um bate e volta de um dia visitando o local. 

 

2. A recepção do albergue.

Como eu já disse na minha página Como escolher a acomodação ideal, toda recepção de albergue é um centro de informações e muitas vezes uma agência de turismo também. E o melhor de tudo é que eles sabem que você é um mochileiro que economiza na viagem simplesmente pelo fato de você estar ficando em um albergue. Então ele não vai te oferecer um “tour” todo chique e super caro em uma van com ar condicionado e champanhe no final. Ele vai te propor como fazer isso sozinho, por conta própria ou com um “tour” bem mais barato, rústico, para mochileiros, onde você tem a chance de conhecer outros mochileiros como você e não um bando de Samsonite.

Além disso, a pessoa que trabalha na recepção muitas vezes é um “local” que vai conhecer coisas como só quem cresceu lá conhece. Sabe dar as melhores dicas de comida para o seu bolso, parques, bares tradicionais e por aí vai. E como quase todo mochileiro que chega ao albergue faz sempre a mesma pergunta “o que tem para fazer por aqui”, ele já está mais do que treinado para te ajudar.

De qualquer forma, a primeira coisa que eu adoro fazer logo depois do meu check-in no albergue é deixar as minhas malas por lá e sair andando sem rumo pelas ruas do lugar onde estou. Relaxar um pouco depois da pequena tensão que sempre passamos enquanto tentamos encontrar o endereço da nossa acomodação em uma cidade totalmente desconhecida. Olhar o rosto dos habitantes locais e tentar sentir como é a vida por lá. Olhar a paisagem, os pontos de ônibus, as lojas, as feiras, parques…tentar fazer de conta, mesmo que por alguns minutos, que eu sou de lá e faço parte de tudo aquilo. 

 

3. Free walking tour (Tour a pé de graça).

Apesar de estar como número 3 na lista, atualmente para mim essa é a atividade que não pode faltar para mim seja qual a cidade do mundo que eu esteja visitando. Se eu tiver a chance de fazer uma única atividade em uma determinada cidade, vai ser o “ Free Walking Tour” dessa cidade. Quando eu comecei a viajar esse esquema ainda não existia. Eu diria que é algo relativamente novo. Deve ter começado há alguns anos nas grandes cidades da Europa, acabou se espalhando pelo mundo e virou uma febre!! Hoje em dia quase toda cidade de porte que seja minimamente turística tem um….às vezes dois, porque o negócio é tão bom para quem faz e para quem participa que já tem até concorrência…um exemplo é Cracóvia na Polônia onde tinham dois Free Walking Tours “competindo” entre si.

Free Walking Tour São Paulo Viagem de Mochilão: Dicas e Conselhos de Atividades a fazerMas não entre em pânico!! O FWT (cansei de digitar tudo e colocar aspas – então vamos simplificar) não é um daqueles tours andando pelo centro da cidade, dado por um historiador que não para de falar, contando todos os detalhes da história daquele país e cidade, do tipo… qual foi o nome daquele capitão daquela batalha naquele específico ano e com quantos soldados ele a venceu e também não tenta se conectar com os turistas. 

Não me levem a mal. Eu adoro história!! Gosto de saber como o país em que eu estou se formou. Qual a origem da população local, cultura, costumes e tudo mais. Mais ficar sabendo todos os nomes, datas, números e detalhes específicos da história é demais. Eu leio sobre isso depois quando estiver em casa.

O FWT é, em geral, bem diferente. É um tour de “jovens”, voltado para mochileiros e jovens viajantes. Jovem não na carteira de identidade mas no espírito. Eu já vi muita gente de idade nesses tours que eram os mais relaxados e bem inseridos no “clima” do passeio. Obviamente os guias vão te dar um apanhado da história local com os pontos mais relevantes, vão interligar com museus, monumentos, prédios, igrejas e seja lá o que você estiver visitando. Mas vão fazer isso de uma forma descontraída, irreverente, com piadas, jogos, contando com a participação do pessoal.

Os guias te darão dicas de locais para ir comer economicamente, o melhor lugar para tomar uma cerveja, curtir uma balada, e o melhor X para qualquer outra coisa que você quiser saber (e acredite, não é o Bulldog de Amsterdam, esse é pega turista que não se informou no FWT local).

Eles não vão medir palavras para criticar um restaurante, museu ou atividade turística se acharem que aquilo não vale à pena. São na maioria das vezes pessoas do local que conhecem a cidade como ninguém e vão te dar as melhores dicas de tudo o que há para fazer por lá.

Além disso, o FWT é uma excelente forma de conhecer outros mochileiros e viajantes, essencial se você está viajando solo e quer conhecer outras pessoas para ter companhia. Como normalmente são duas horas andando por uma cidade, você tem tempo o suficiente durante o deslocamento para puxar conversa com os outros viajantes. Todo mundo está ali para conhecer a cidade, mas também fazer amizades e encontrar parceiros de viagem. São duas horas!! Pergunte de onde ele ou ela são, em que albergue estão, qual o itinerário da viagem deles e quais outras atividades vão fazer naquela cidade.

Quando o tour termina muitas vezes o guia ou o pessoal já combina de ir comer ou tomar umas em algum local….mais um oportunidade para se socializar. Já fiz muitos amigos, parceiros de viagem e futuros anfitriões assim (fiquei na casa dessas pessoas quando fui visitar o país deles.)

E como achar informação sobre esses FWT na cidade que eu vou visitar?? 

Você pode começar perguntando na recepção do seu albergue. Eles sempre sabem se há um FWT naquela cidade. Há também alguns sites que tentam agrupar todos os FWTs existentes pelo mundo. Esses são dois exemplos: 

http://www.priceoftravel.com/1835/list-of-free-walking-tours-around-the-world/ 

http://www.freecitytour.com/ 

Mas como tem sempre um novo saindo, outros fechando e abrindo com uma organização diferente, o melhor mesmo é meter um Google: “a cidade que você está visitando com o nome em Inglês free walking tour”. O Sr Google vai se encarregar de achar o site, página no Facebook ou TripAdviser caso haja um FWT naquela cidade.

Lagoa na AustráliaEntão por exemplo, se quero verificar Cracóvia na Polônia eu vou colocar no Google o nome em Inglês “Krakow free walking tour”.Para traduzir de Português para Inglês é só usar o Google translator: http://translate.google.com.br/.

Os sites provavelmente também estarão em Inglês, então se você tiver alguma dificuldade, use o mesmo google translator ou o navegador Chrome  www.google.com/chrome/ que ele pode traduzir qualquer site de qualquer língua para a sua língua local.

Se o Inglês não é o seu forte, na maioria das grandes cidades, você também deve ser capaz de encontrar um FTW em espanhol pesquisando no google  “tour gratis + nombre de la ciudad + en español.” Mesmo que o seu Espanhol não seja fantástico, é possível entender e eu já vi um monte de brasileiros nos FWT em Espanhol.

O que devo procurar?? Vá onde diz FREE TOUR e procure a informação sobre em que dias da semana há os FWT e qual o horário e local de encontro. Normalmente é lá pelas 11 ou meio dia em alguma praça ou região turística do local. Por exemplo, depois de fazer a busca por Cracóvia eu achei: www.cracowfreewalkingtour.com/

Dentro desse site eu achei que o local de encontro é em frente à Igreja St Mary’s (a Igreja de tijolo com duas torres na praça do mercado central), não tem com não achar com uma explicação dessas!! Começa todo os dias às 10:30 da manhã. E eles ainda mostram o local em um pequeno mapa:Viagem de Mochilão: Dicas e Conselhos de Atividades a fazer

Em 98% das vezes que fiz não precisava fazer reserva antes. A única exceção que me lembro foi em Medellín na Colômbia. Por isso não tenha medo. Vá com fé!! Mesmo que você chegue antes e não veja mais ninguém, fique por lá que o pessoal vai começar a chegar. Você verá uma galera se acumulando e o guia pode estar com uma placa sinalizando, às vezes com uma camiseta do tour ou até mesmo ser um cara normal sem indicação externa nenhuma.

No horário marcado o guia fará uma pequena introdução, talvez pergunte de onde é o pessoal para quebrar o gelo e de lá vocês vão caminhar por umas 2 a 3 horas pelas principais atrações da cidade com as devidas pausas para explicações, descansos se precisar, banheiro, comida, café se estiver frio, suco se estiver calor, tudo dependo de cada tour. Eu já fiz tours com 3 pessoas durante o inverno em Riga na Letônia e já fiz tour com 30 pessoas ou mais em Amsterdam na Holanda. Nunca houve um tour que eu achasse que não tivesse valido à pena….e como eu já falei, é atualmente a minha atividade número 1 em qualquer lugar que eu vá que tenha FWT disponível. É perfeito!! Mistura de turismo, história, conhecimento local, descolado e bom para conhecer outras pessoas.

Ao final do tour você pode pegar o guia de lado e fazer perguntas específicas sobre a cidade, onde fica no mapa locais específicos que você estava querendo visitar, como voltar para a sua acomodação….basicamente você terá um guia privado à sua disposição.

Então quer dizer que eu vou ter uma super atividade legal, tudo de graça?? Bom, não é bem assim. O tour é de graça mas os guias e organizadores vivem de gorjeta…o que é mais um motivo para eles se esforçarem para darem o melhor de si para poderem receber a melhor gorjeta possível o que leva a um melhor tour para você.

Dar ou não dar gorjeta?? 

Eu SEMPRE dou gorjeta. Não digo que seja muito, mas eu acho que eles merecem e é uma excelente forma de propagar conhecimento pelo mundo, tornar os viajantes mais conscientes do lugar que eles estão e não apenas turistas preocupados com compras e estátuas de pessoas que eles nem sabem quem são.

Eu já vi muita gente dando MUITO dinheiro, o suficiente para contratar um tour particular pelo dia inteiro. Mas acredito que essas pessoas, mesmo tendo dinheiro, preferem um tour descontraído com gente relaxada e descolada ao invés de um tour de busão com ar condicionado. E ao mesmo tempo eles sabem que estão compensando pelos que não dão gorjeta seja lá por qual motivo. Para dizer a verdade eu nunca vi alguém não dando gorjeta, eles devem ser bem discretos, mas deve haver. Porém eu acredito que conhecimento deve estar disponível e de graça para todos nesse planeta, independente se você tem dinheiro ou não. Então se você pode, contribua. Assim continuamos apoiando essa excelente ideia que são os Free Walking Tour’s (além de ajudar o guia que tem o tour como seu trabalho). Senão puder contribuir por qualquer motivo que seja, faça questão de agradecer de coração ao seu guia, aproveite todo esse conhecimento e retransmita para o mundo….boa viagem!!

 E você, tem alguma boa dica de como desvendar uma nova cidade ou local durante a sua viagem??  Dê o seu testemunho na área de comentários ou escreva-me se ainda tiver alguma dúvida não esclarecida no texto e eu tentarei te ajudar da melhor forma possível. Não se preocupe, você não precisa se identificar ou colocar seu email para comentar.

Boas viagens!!

Para saber sobre as minhas ferramentas e aplicativos de viagem favoritos que me permitem viajar tanto e a um custo tão baixo, dê uma olhada na minha página especial sobre “ferramentas e aplicativos de viagem.”

Se você quiser saber mais sobre novos artigos, conferir nossas últimas fotos, e ler sobre novidades, é só nos seguir aqui…

Facebook Icon  Instagram Icon  Twitter Icon  Google Plus Icon  Youtube Icon

….e cadastre-se abaixo para receber o nosso informativo:

Related Post from this Blog

Deixe uma resposta

Real Time Web Analytics